Última Marcha

Testamos os modelos 100% elétricos da Jac Motors

Sabe quando você está parado em um engarrafamento e até a vibração do motor te irrita? Os trancos da embreagem, também. A combinação trânsito x veículos movidos a combustão, às vezes, tiram mesmo a gente do sério. Imagina em São Paulo onde os motoristas perdem, em média, 154 horas do ano parados atrás do volante.

Como a tendência, infelizmente, é dos engarrafamentos só piorarem, acelerar um carro elétrico pode ser uma boa. E te falo uma coisa: essa “virada de chave” é muito legal. Primeiro por causa da suavidade. Ah, e praticamente sem ruídos. Outra vantagem: você nunca mais vai passar por um posto de combustível (a não ser para calibrar os pneus). E o melhor disso tudo: emissão zero de poluentes na camada de ozônio.

A chinesa JAC decidiu investir pesado nesse terreno e anunciou a chegada de 5 modelos 100% elétricos. De um subcompacto (iEV20) a uma caminhão de 6 toneladas (iEV1200T).

Vamos começar pelo menor membro da família. Com motor de 68 cavalos e 21.3 kgfm de torque instantâneo, o iEV 20 acelera rápido, mas sem te colar forte no banco. A autonomia é de 320 km com uma recarga.

Já pra quem dorme e acorda pensando em SUV tem tudo pra se conectar com o iEV40. Ele tem 125 cavalos de potência, 26.7 kgfm de torque e acelera de 0 aos 100 km/h em 9.8 segundos. Apertou forte o acelerador, é sorriso garantido no rosto. De acordo com a Jac, o iEV40 será capaz de rodar até 300 km com uma carga completa. Em um patamar mais refinado está o iEV60 – um SUV maior com 380 km de autonomia e chegada prevista para julho de 2020.

As novidades da montadora chinesa incluem, também, a 1ª caminhonete elétrica produzida em série no mundo. A iEV330P, com capacidade para carregar 800 quilos, começa a ser entregue em abril de 2020 em torno de R$ 229.900. No caso dela, a promessa é rodar 320 km com cada conexão à tomada.

Não importa o modelo, a recarga completa demora, em média, 12 horas de conexão em uma tomada normal de 220 volts. Se quiser reduzir esse tempo para quatro horas, é necessário comprar o Wallbox por R$ 8.500 – com instalação inclusa.

Alguns modelos como o iEV20 e iEV40 ainda contam com o iPedal. O acelerador eletrônico funciona como freio motor. Toda vez que é liberado, ele produz energia para as baterias. Além disso, o sistema ajuda a poupar as pastilhas de freio dando a elas uma vida útil de até 100.000 quilômetros.

iEV20: Modelo com 68 cavalos e 21.3 kgfm de torque.

E quanto custa manter um elétrico?

Quando você faz esse cálculos, outro choque. E pro bem do seu bolso. A 1ª revisão, de um iEV 40, sai por R$ 49,90. Se somarmos todas as manutenções programadas, até 60.000 km, o valor é de exatos R$ 649,90. Aproximadamente 7 vezes menos do que um SUV movido a combustão.

A bateria, com refrigeração líquida pra melhorar a performance, tem vida útil de até 1 milhão de quilômetros. E, dentro da garantia de 5 anos dos veículos, se algum problema surgir, a JAC promete a troca da bateria, na hora.

Agora, se estiver preocupado com o custo da bateria, além da garantia, a notícia não é muito animadora. O sistema responsável por estocar a energia pode valer até 50% do preço do carro. Pelo menos, essa proporção cai a cada dia. Daqui a meia década, os preços devem diminuir drasticamente.

Pra fechar essa resenha sobre o instigante, novo e eletrizante futuro, um veredito: os carros elétricos são, sim, o futuro. E o presente, também. O problema, por enquanto, são os preços.

iEV 20: R$ 199.900

iEV 40: R$ 153.900

iEV 60: R$ 198.900

iEV330P: R$ 229.900

iEV1200T: sem preço divulgado

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.