Última Marcha

(Vídeo) Amarok V6: aceleramos a versão com 258 cavalos

Esqueça as caminhonetes focadas em trabalho, hoje, vamos falar de um modelo com DNA voltado para cidade ou longas viagens. Nem precisamos falar que o assunto é a Amarok, né? Pense num trem que anda. Pisou no acelerador, o motor V6 turbodiesel, agora com 258 cavalos, te leva de 0 a 100km/h em apenas 7,4 segundos. O torque de 50,9kgfm também ajudam a fazer você pensar que está na direção de um Golf GTI com caçamba.

A tração 4Motion deixa todas as rodas em conexão com o motor, independentemente do terreno e faixa de rotação. Isso é determinante para aumentar a sensação de segurança. Pode entrar na curva tranquilo que a aderência é absurda. Isso só não é legal para a autonomia, já que por ser integral, há mais contato com o chão e, consequentemente, mais consumo. Em nossos testes, a caminhonete fez 8 km/l na estrada e 9 na cidade.

Confira o vídeo da nossa avaliação com a Amarok V6 2021

A versão avaliada, a Extrem, é a mais completa e, obviamente, a mais recheada. Ela conta com rodas 20 polegadas, Faróis bixênon com DRL, central multimídia, engate removível, estribo lateral e santo Antônio bonitão. Faltou a capota marítima, oferecida como opcional por R$ 1.100.

De série, a Amarok V6 conta, ainda, com controles de tração e estabilidade, cinto de três pontos pra todo mundo, mas apenas quatro 4 airbags. Alguns modelos da categoria, tipo Ranger, Frontier e Hilux, têm até sete nas versões mais completas. Está, aí, um ponto para melhorar.

Com tanta tecnologia, ela acaba não sendo o veículo ideal para trabalho pesado. Ela aguenta carregar até 1.156 de carga, mas não pedras e concreto. Acho que malas para um boa viagem é bem mais adequado.

Resumo dos nossos quase 30 dias com a Amarok V6: que picape legal de dirigir! Ela é forte, acelera como um esportivo e tem ótima estabilidade. É a picape certa para quem gosta de dirigir. Como não existe veículo perfeito, ela pode melhorar em alguns aspectos. A central multimídia merece um upgrade, assim como o design. Afinal, é a mesma cara desde o lançamento do modelo, em 2010.

A direção hidráulica pode muito bem ser trocada pela elétrica (assim como a maioria das concorrentes). Por fim, acredito que, pelo preço (R$ 265.980), o modelo também poderia sair de fábrica com ACC, frenagem autônoma de emergência, sensores de ponto cego, entre outras tecnologias de segurança e conveniência.

Mesmo com todos esses pontos, a Amarok V6 continua sendo uma ótima pedida. Até quem não gosta tanto de caminhonete, depois de dar uma volta, fica com vontade de levá-la para casa.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Comentários