Última Marcha

Aceleramos o Porsche Taycan Cross: o elétrico aventureiro da marca alemã

A Porsche apresentou o seu segundo modelo 100% elétrico no país. Trata-se do Taycan Cross Turismo. Em um mundo onde o domínio mercadológico dos SUV’s cresce cada vez mais, ver a Porsche investindo em um modelo wagon, chega a marejar os olhos.

E a marca está investindo mesmo. Esse modelo acaba de fazer uma expedição cruzando o país. Foram 9 mil km em 26 dias. Saindo de Foz de Iguaçu, no Paraná e chegando até Jericoacoara, no Ceará. Todo esse registro foi feito pela equipe da Porsche e você pode acompanhar pelo site oficial da expedição.

Expedição Taycan Cross Turismo na Serra da Canastra (Imagens: Porsche Brasil)

E nós, do Última Marcha, tivemos a honra de sermos convidados com exclusividade para guiar esse carro durante um pequeno pedaço dessa expedição. A Porsche nos levou até Goiânia-GO e viemos acelerando até Brasília-DF. Ao todo, foram 200 km. Da concessionária da marca. na capital de Goiás, até o carregador de modelos elétricos que fica em frente a loja de Brasília. E foram os 200 km mais emblemáticos deste ano.

Esse episódio não se trata necessariamente de uma avaliação ou um teste de longa duração, apesar da viagem. Foi um primeiro encontro. Um date. Daqueles inesquecíveis. Que, quando acaba, você já quer ligar para marcar o próximo, sabe?

Detalhes da chave do Taycan Cross Turismo da mesma cor do carro.

Meu primeiro contato com o Taycan Cross foi diferente do habitual. Ele estava estacionado em frente ao hotel todo sujo de barro. Afinal, ele está cruzando o país em uma expedição. E essa lama toda mesclada com a cor ‘Verde Mamba’ e o sobrenome Cross, caíram como uma luva. Luva suja, tá?

Dei um 360º no carro observando os detalhes. Frente com faróis em led, capô musculoso, logo da porsche – aqui eu já dei uma suspirada – rodas em carbono de 21 polegadas, e, na traseira, eu parei um pouco e observei o desenho da lanterna em led cortando o porta-malas e me questionando: Porque diabos preferem um SUV a isso? Obrigado, Porsche.

Destravo o carro, as maçanetas saltam para fora, abro, entro e lá vem o segundo suspiro. Interior em preto e branco. Meus olhos não param de mapear os detalhes de tanta coisa nova que surgia. Primeiro, um volante revestido em couro com a logo da Porsche ao centro. Isso já valia o ingresso, né? Atrás dele, um painel em curva, 100% digital com todas as informações do carro e alguns comandos na tela. O botão para ligar o carro é na mão esquerda, um botão apenas. Na direita, fica o seletor do câmbio. Minimalista e prático.

Ao centro, duas telas. Uma no lugar de sempre. Com todas as informações de multimídia, mapa, conexões com o celular e logo abaixo, uma outra, que além de ter os controles do ar-condicionado, ainda fazia algumas funções da multimídia. Em frente ao banco do passageiro, mais uma tela touch-screen, para o passageiro comandar algumas funções. O que eu acho um absurdo, afinal, quem comanda sou eu. Mas tá ali. Inclusive, à medida que você não usa, ela apaga a tela e só fica o nome TAYCAN na tela. Lindo. Prefiro assim.

Ao ligar o carro, aquele belo som de nada. Silêncio absoluto. Começo a suar, afinal, estava guiando o carro da expedição e haviam umas 20 pessoas me olhando sair com o carro. Coloco em D, e saio suave seguindo uma Tiguan que iria me acompanhar até Brasília. Nos primeiros quilômetros você percebe toda a qualidade do carro. Por dentro, onde meu braço batia acidentalmente, era um toque suave. Por fora, todo mundo que acordou cedo em Goiânia e pode ver esse bicho verde passando ao lado, pelo menos um ‘stories’ pro instagram fazia.

O Taycan é um elétrico de 800 volts, com capacidade de armazenamento de 93,4 kWh. São dois motores, um em cada eixo, traduzidos em 380 cv (280 kW) ou até 476 cv com overboost e controle de largada. O torque é de 51 kgfm. Ele faz de zero a 100 km/h em 5,1 segundos. Pelos números talvez você não se impressione. Mas o torque de um elétrico e esse elétrico sendo um Porsche, é uma delícia. É sorriso e cabecinha colada no banco a cada toque no acelerador.

Taycan Cross Turismo em Brasília-DF. (Imagens: Porsche Brasil)

Além da traseira, o Cross tem algumas diferenças do Taycan tradicional. Ele oferece 36 mm a mais de espaço para a cabeça dos ocupantes do banco traseiro. No porta-malas, são 39 litros a mais, sendo 446 no total. Ah, e como os motores estão nos eixos, você ainda pode guardar algumas coisas embaixo do capô em um espaço de 74 litros.
Pra justificar o sobrenome Cross, a suspensão é adaptável com variação automática de altura.

Uma mala de mão cabe tranquilamente no porta-qualquer-coisa embaixo do capô de 74 litros.

A autonomia do Taycan varia de 389 a 456 km, dependendo da tocada de quem vai ao volante. Ele pode ser carregado em um carregador doméstico de 11kW, que demora cerca de nove horas para uma recarga de 100%, pode ser carregado também em um carregador de 22kW, que leva metade do tempo.

Taycan Cross Turismo sendo carregado no carregador de 11kW. 0 a 100% leva 9 horas.

Os 200 km voaram como se fossem 5 minutos de viagem. O barulho que o Taycan faz quando a gente pisa no acelerador é viciante. Isso tem que ser dito. Não é a mesma sensação de ouvir um ronco de um v8, um V10. Mas você não sente saudade. É algo novo. É uma nave decolando em volume baixo. Dificil até exemplificar. Parece que os sentidos são aguçados para que você sinta toda a aceleração sem nenhuma distração.

Escute o som do Taycan Cross Turismo acelerando

Como foi a minha primeira experiência com um Porsche, não consigo fazer uma comparação com outros modelos da marca, mas eu sinto o DNA. O modelo faz curvas muito bem, acelera como pouquíssimos carros que eu já dirigi e tem um refinamento absurdo em cada detalhe.


No Brasil, Taycan Cross Turismo é vendido com preço a partir de R$ 685.000, já incluso a instalação do carregador doméstico. São 18 cores disponíveis e diversos opcionais e acessórios que você pode personalizar absolutamente tudo.

A marca alemã conseguiu desenvolver um modelo excelente em um segmento próprio, afinal, uma perua off-road, elelétrica e com tocada de esportivo, eu ainda não tive o prazer de conhecer. E no apagar das luzes dessa pequena viagem, eu vejo no encarte do Taycan Cross Turismo na concessionária da marca em Brasília o slogan do carro: ‘Soul, electrified.’ Alma, eletrificada. Se ela ainda se manter no seu corpo após uma volta. É bem essa a sensação.


** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments